Comunicado importante

A Sobrag informa que os cursos de Grafologia, de 16 horas, apenas possuem teor informativo sobre a técnica; não capacitam o aluno à prática da Grafologia.

A Sobrag esclarece que não tem como objetivo a finalidade de dar reconhecimento para Grafólogos.

HISTÓRICO DA SOBRAG

Em 1974, Odette Serpa Loevy (que foi aluna da Dra. Rose Mehlich, que foi assistente de Max Pulver), passou a ministrar – em sua residência, em São Paulo – cursos particulares de introdução à grafologia. Após esses cursos, formou-se pequeno grupo de pessoas interessadas em difundir e aplicar, profissionalmente, os conhecimentos grafológicos adquiridos.

Com a finalidade primeira de ver, no Brasil, a grafologia reconhecida como ciência que realmente é, esse grupo dirigiu seus esforços no sentido de fundar entidade legalmente registrada, que funcionasse sob a liderança de elementos de alto nível.

Com a criação de tal entidade, propunha-se, ainda, agrupar elementos que se dedicassem à grafologia e a grafotecnia em nosso País, procurando também promover ativo intercâmbio de estudos e pesquisas.

Neste ponto cabe tecer rápido comentário a respeito de como é vista a grafologia no Brasil. Uma faixa limitada de pessoas, principalmente de formação universitária a conhecem e a valorizam.

A grande maioria, entretanto, não têm dela o menor conhecimento e alguns, principalmente jovens, sentem-se atraídos pelas “análises” feitas por computadores (geralmente instalados nos Shopping Centers) ou em revistas e jornais.

Desejando difundir a grafologia, esse grupo prosseguiu em seu trabalho proferindo palestras e conferências, publicando alguns artigos em jornais, principalmente editados em São Paulo e Rio de Janeiro. A par disso foram feitos alguns contatos com entidades que congregam grafólogos em diferentes países, como: França, Inglaterra, Espanha, Itália e Argentina. Em recente viagem ao exterior da autora deste artigo foi aceita como correspondente, para o Brasil, pelo Conselho da “Société Française de Graphologie”..